TESE DE GUERDJEF

25 de janeiro de 2011 § Deixe um comentário

Às vezes são tantas coisas a fazer, tantos compromissos diários, que ligamos o piloto automático e nem refletimos sobre nossas atitudes no cotidiano – vamos vivendo! Mas é fundamental pensar na qualidade de nossa vida, que nós somos os únicos responsáveis pelos sucessos e fracassos e, sobretudo, que o que fazemos de nós interfere de forma direta na vida de nossos filhos, afinal, somos referência para eles. Sendo assim, que tal parar um pouco e conhecer a Teoria de Guerdjef?

Guerdjef foi um pensador russo, que no início do século passado já falava em auto-conhecimento e na importância de se saber viver. Dizia ele:

“Uma boa vida tem como base o sentido do que queremos para nós em cada momento e daquilo que, realmente vale como principal.”

Assim sendo, ele traçou 20 regras de vida que foram colocadas em destaque no Instituto Francês de Ansiedade e Stress, em Paris. Dizem os experts em comportamento que, quem já consegue assimilar 10 delas, com certeza aprendeu a viver com qualidade interna. Ei-las:

1) Faça pausas de dez minutos a cada duas horas de trabalho, no máximo. Repita essas pausas na vida diária e pense em você, analisando suas atitudes.
2) Aprenda a dizer não sem se sentir culpado ou achar que magoou. Querer agradar a todos é um desgaste enorme.
3) Planeje seu dia, sim, mas deixe sempre um bom espaço para o improviso, consciente de que nem tudo depende de você.
4) Concentre-se em apenas uma tarefa de cada vez. Por mais ágeis que sejam os seus quadros mentais, você se exaure.
5) Esqueça, de uma vez por todas, que você é imprescindível. No trabalho, casa, no grupo habitual. Por mais que isso lhe desagrade, tudo anda sem a sua atuação, a não ser você mesmo.
6) Abra mão de ser o responsável pelo prazer de todos. Não é você a fonte dos desejos, o eterno mestre de cerimônias.
7) Peça ajuda sempre que necessário, tendo o bom senso de pedir às pessoas certas.
8) Diferencie problemas reais de problemas imaginários e elimine-os porque são pura perda de tempo e ocupam um espaço mental precioso para coisas mais importantes.
9) Tente descobrir o prazer de fatos cotidianos como dormir, comer e tomar banho, sem também achar que é o máximo a se conseguir na vida.
10) Evite se envolver na ansiedade e tensão alheias enquanto ansiedade e tensão. Espere um pouco e depois retome o diálogo, a ação.
11) Família não é você, está junto de você, compõe o seu mundo, mas não é a sua própria identidade.
12) Entenda que princípios e convicções fechadas podem ser um grande peso, a trave do movimento e da busca.
13) É preciso ter sempre alguém em que se possa confiar e falar abertamente ao menos num raio de cem quilômetros. Não adianta estar mais longe.
14) Saiba a hora certa de sair de cena, de retirar-se do palco, de deixar a roda. Nunca perca o sentido da importância sutil de uma saída discreta.
15) Não queira saber se falaram mal de você e nem se atormente com esse lixo mental; escute o que falaram bem, com reserva analítica, sem qualquer convencimento.
16) Competir no lazer, no trabalho, na vida a dois, é ótimo … para quem quer ficar esgotado e perder o melhor.
17) A rigidez é boa na pedra, não no homem. A ele cabe firmeza, o que é muito diferente.
18) Uma hora de intenso prazer substitui com folga 3 horas de sono perdido. O prazer recompõe mais que o sono. Logo, não perca uma oportunidade de divertir-se.
19) Não abandone suas 3 grandes e inabaláveis amigas: a intuição, a inocência e a fé!
20) E entenda de uma vez por todas, definitiva e conclusivamente: Você é o que se fizer ser!

Pense nisso!


Nadar e andar de bicicleta são coisas de criança? Só se forem as de antigamente; as crianças de hoje têm mais chances de terem dominado os jogos de computador do que outras atividades

21 de janeiro de 2011 § Deixe um comentário

Estudo mostra que crianças aprendem habilidades tecnológicas antes de habilidades para a vida.

Hoje as crianças pequenas têm mais facilidade de  navegarem com um mouse, jogarem no computador e explorarem um smartphone, do que nadarem, amarrarem os cadarços ou fazerem seu próprio café da manhã. Isso é de acordo com um novo estudo do ‘Diário Digital’ do AVG Internet Security Company (www.avg.com). AVG Diário Digital é uma série de estudos que olham como a interação das crianças com a tecnologia mudou.

Esta segunda parte da pesquisa entrevistou 2.200 mães com acesso à Internet e com crianças de 2-5 anos nos EUA, Canadá, Europa (Reino Unido, França, Itália, Alemanha e Espanha), Japão, Austrália e Nova Zelândia. As mães receberam uma lista de habilidades técnicas e uma lista de habilidades de vida perguntando sobre o que os seus filhos muito jovens já tinham dominado. Os principais resultados são os seguintes:

1 – Mais crianças pequenas sabem jogar um jogo de computador do que andar de bicicleta. 58% das crianças de 2-5 sabem como jogar um jogo de computador “básico”. Para o Reino Unido e a França, salta para 70%. Até 44 % dos 2-3 anos têm a possibilidade de jogar um jogo de computador. Em comparação, 43 % das crianças 2-3 podem andar de bicicleta;

2 – Mais crianças com idade entre 2-5 podem jogar com um aplicativo do Smartphone (19%) do que amarrar seu cadarço (9%). Quase tantos com 2-3 anos (17 %) podem jogar um aplicativo de smartphone, como com 4-5 anos (21 %);

3 – Mais crianças pequenas podem abrir um navegador web (25%) do que nadarem sozinhas (20%);

4 – Não há divisão de sexo para uso da tecnologia. Tanto meninos (58%) quanto meninas (59%) podem jogar um jogo de computador ou fazerem uma chamada de telefone móvel (28 % meninos, 29 %meninas);

5 – As mães com 35 anos ou mais são um pouco melhores no ensino de seus filhos de habilidades para a vida. Por exemplo, 40% das crianças com mães com idade de 35 anos podem escrever seu próprio nome, em comparação com 35% das crianças com mães de 34 anos ou mais jovens;

6 – Crianças européias com 2-5 levam vantagem em relação às dos EUA em saber como fazer uma chamada de telefone móvel (44 % na Itália, contra 25 % nos EUA), jogar um jogo de computador (70% no Reino Unido versus 61% nos EUA) e sobre o uso do mouse (78% na França versus 67% nos EUA).

“A tecnologia mudou o que significa ser um pai criar filhos hoje – essas crianças estão crescendo em um ambiente que seria irreconhecível para os seus pais. O telefone inteligente e o computador estão cada vez mais tomando o lugar da TV como uma ferramenta de educação e entretenimento para as crianças”, disse o CEO da AVG, JR Smith. “Como mostra nossa pesquisa, os pais precisam de começar a educar as crianças sobre a navegação do mundo online com segurança em uma idade mais adiantada do que eles poderiam ter pensado.”

Fonte: http://www.avg.com/us-en/press-releases-news.ndi-672

O PRINCÍPIO 90/10 – Stephen Covey

20 de janeiro de 2011 § Deixe um comentário

Que princípio é este?

Os 10% da vida estão relacionados com o que se passa com você, os outros 90% da vida estão relacionados com a forma como você reage ao que se passa com você. O que isto quer dizer? Realmente, nós não temos controle sobre 10% do que nos sucede. Não podemos evitar que o carro enguice, que o avião atrase, que o semáforo fique no vermelho.

Mas, você é quem determinará os outros 90%. Como? Com sua reação.

Exemplo: você está tomando o café da manhã com sua família. Sua filha, ao pegar a xícara, deixa o café cair na sua camisa branca de trabalho.

Você não tem controle sobre isto. O que acontecerá em seguida será determinado por sua reação.

Então, você se irrita. Repreende severamente sua filha e ela começa a chorar. Você censura sua esposa por ter colocado a xícara muito na beirada da mesa. E tem prosseguimento uma batalha verbal. Contrariado e resmungando, você vai mudar de camisa. Quando volta, encontra sua filha chorando mais ainda e ela acaba perdendo o ônibus para a escola. Sua esposa vai pro trabalho, também contrariada. Você tem de levar sua filha, de carro, pra escola. Como está atrasado, dirige em alta velocidade e é multado. Depois de 15 min. de atraso, uma discussão com o guarda de trânsito e uma multa, vocês chegam à escola, onde sua filha entra, sem se despedir de você. Ao chegar atrasado ao escritório, você percebe que esqueceu de sua maleta…

Seu dia começou mal e parece que ficará pior. Você fica ansioso pro dia acabar e quando chega em casa, sua esposa e filha estão de cara fechada, silêncio e frias com você.

Por quê? Por causa de sua reação ao acontecido no café da manhã. Pense: por quê seu dia foi péssimo?

A) por causa do café?
B) por causa de sua filha?
C) por causa de sua esposa?
D) por causa da multa de trânsito?
E) por sua causa?

A resposta correta é a E: por sua causa.

Você não teve controle sobre o que aconteceu com o café, mas o modo como você reagiu naqueles 5 minutos foi o que deixou seu dia ruim. O café cai na sua camisa. Sua filha começa a chorar. Então, você diz a ela, Gentilmente: “está bem, querida, você só precisa ter mais cuidado”. Depois de pegar outra camisa e a pasta executiva, você volta, olha pela janela e vê sua filha pegando o ônibus. Dá um sorriso e ela retribui, dando adeus com a mão.

Notou a diferença? Duas situações iguais, que terminam muito diferente. Por quê? Porque os outros 90% são determinados por sua reação.

Aqui temos um exemplo de como aplicar o Princípio 90/10. Se alguém diz algo negativo sobre você, não leve a sério, não deixe que os comentários negativos te afetem. Reaja apropriadamente e seu dia não ficará arruinado.

Como reagir a alguém que te atrapalha no trânsito? Você fica transtornado? Golpeia o volante? Xinga? Sua pressão sobe? O que acontece se você perder o emprego? Por quê perder o sono e ficar tão chateado? Isto não funcionará.

Use a energia da preocupação para procurar outro trabalho. Seu vôo está atrasado, vai atrapalhar a sua programação do dia. Por quê manifestar frustração com o funcionário do aeroporto? Ele não pode fazer nada.

Use seu tempo para estudar, conhecer os outros passageiros.

Estressar-se só piora as coisas.

Agora que você já conhece o Princípio 90/10, utilize-o. Você se surpreenderá com os resultados e não se arrependerá de usá-lo. Milhares de pessoas estão sofrendo de um stress que não vale a pena, sofrimentos, problemas e dores de cabeça. Todos devemos conhecer e praticar este Princípio. Pode mudar a sua vida!

 

Nota: Li e achei bem interessante esse texto, afinal, são sugestões para incorporar no nosso dia a dia. Por isso, simplesmente copiei de um dos mil sites que disponibilizam o texto na web.

Quantas vezes a gente estraga todo um dia por uma simples besteira. Não vale a pena, afinal, a vida é curtíssima e TUDO passa…

SpecialKids: o uso da fotografia como inclusão social de crianças especiais

17 de janeiro de 2011 § Deixe um comentário

Era o ano de 2000, virada do milênio, quando Ms. Heidi Lewis tentava fazer uma sessão de fotos de seu filho Taylor, um garoto com 1 ano de vida. Depois de alguma insistência, ela conseguiu finalmente convencer um fotógrafo a fazer o trabalho, mas a jornada e as “histórias de studio” relatadas por outras mães, abriu seus olhos para a necessidade latente de treinamento e capacitação dos fotografos profissionais considerando a visão e expectativa das crianças e da família.
A Special Kids Photography of America nasceu, o trabalho cresceu e se ramificou, atendendo atualmente todo o território norte-americano.
Nove anos se passaram, até que um contato entre o fotógrafo Rubens Vieira e a co-fundadora da SpecialKidsPhotography of America, Sra Karen Dorame evoluísse para a criação da Special Kids Photography LA.  Nascida para atender a toda a América Latina, a Special Kids chega para ir além. Para tornar-se um referencial no processo de inclusão.
Ao utilizar a fotografia como instrumento de inclusão social, pretendem  mexer com a comunidade à nossa volta. De mostrar como podemos sim integrar individuos e plantar sementes valiosas de combate ao preconceito no enorme celeiro que são as nossas crianças.

Para apresentar esse lindo trabalho, a Escola Virtual para Pais vai realizar no dia 20 de janeiro às 20h uma webconferência em parceria com a Special Kids LA sobre o uso da fotografia como inclusão social. O objetivo da atividade é apresentar o projeto a pais, educadores e terapeutas (bem como aos fotógrafos que ainda não conhecem o projeto), pontuando o impacto na família e na sociedade.  A atividade será apresentada por Rubens Vieira – Fotógrafo e fundador da SpecialKidsPhotography no Brasil.

Serviço

Palestra Online Informativa com Rubens Vieira, Fundador da SpecialKidsPhotography LatinAmerica.

Quando: 20 de Janeiro (quinta-feira)

Horário: 20 h

Investimento: gratuito (vagas limitadas)

www.escolavirtualparapais.com.br

Ajude a divulgar e Participe!

Dicas para pais na volta às aulas

10 de janeiro de 2011 § Deixe um comentário

Entrevista dada à Radio Eldorado por Marcia Taborda sobre volta às aulas em 09/01/2010.

Clique aqui, ouça e comente!

Temas abordados:

Como economizar na compra de material;

Alfabetização;

Adaptação;

Uso de Tablets;

Parceira Escola – Família;

E outros…

Compreendendo outro ponto de vista em uma idade precoce

6 de janeiro de 2011 § Deixe um comentário

Crianças com até sete meses têm a capacidade de perceber e entender o ponto de outra pessoa de visão, segundo um novo estudo da Revista Science.

Anteriormente, pensava-se que essa capacidade, conhecida como “teoria da mente”, não se desenvolveria até a idade de 3 ou 4 anos.

“As crianças mais jovens têm dificuldades em se manterem a par de cenários complicados”, disse Ansgar Endress, um psicólogo cognitivo no MIT e um dos autores do estudo. Então, o Dr. Endress e seus colegas usaram um cenário simples para testar as habilidades perceptivas de crianças e adultos.

Eles mostraram crianças e adultos vídeos animados em que uma bola rola por trás de uma parede e, em seguida, permanece lá, rola para fora da visão do participante, ou rola para fora de vista e retorna. Na animação, um personagem de desenho animado também estava presente, mas nem sempre estava a testemunhar o destino final da bola.

Os adultos foram capazes de determinar rapidamente onde a bola parou, indicando que  tomaram a perspectiva do personagem no conto.

Embora seja mais difícil monitorar os bebês, os pesquisadores descobriram que os bebês olhavam mais para a tela quando a expectativa do personagem de desenho animado não correspondia na realidade à localização da bola.

De tudo isso, inferir que as crianças compreendem a perspectiva do personagem de desenho animado, o Dr. Endress disse.

A pesquisa pode ajudar os psicólogos a entenderem melhor como funciona uma sociedade.

“Se você quer trabalhar em conjunto, se você quiser colaborar, se você quer se comunicar – que só é possível se você levar alguém a perspectiva”, disse ele.

Por SINDYA N. BHANOO – em 04 de janeiro de 2011, Jornal The New York Times.

Casamento Sustentável sob “efeito de Michelângelo” = Casamento feliz!

3 de janeiro de 2011 § Deixe um comentário

Um casamento duradouro nem sempre é sinal de um casamento feliz. Vários casais estão juntos pelos filhos, religião ou por outras razões de ordem prática. Mas, para muitos casais, isso não o suficiente para ficar juntos. Eles querem um relacionamento que seja significativo e gratificante. Em suma, querem um casamento sustentável.

Durante séculos, o casamento era visto como uma instituição econômica e social, e as necessidades emocionais e intelectuais dos cônjuges eram secundárias para a sobrevivência do próprio casamento. Mas em relacionamentos modernos, as pessoas estão buscando uma parceria e querem parceiros que tornam suas vidas mais interessantes. Caryl Rusbult, um pesquisador da Universidade Vrije, em Amsterdã que morreu em janeiro passado, chamou-o “efeito de Michelângelo“, referindo-se à maneira pela qual os parceiros “esculpem” um ao outro de forma a ajudá-los atingir os objetivos valorizados por cada um deles.

Dr. Aron e Gary W. Lewandowski Jr., professor da Universidade de Monmouth, em Nova Jersey, estudou como as pessoas usam um relacionamento para acumular conhecimentos e experiências, um processo chamado de “auto-expansão.”

Pesquisas mostram que quanto mais auto-expansão as pessoas experimentam de seu parceiro, mais comprometidos e satisfeitos ficam na relação.Para medir isso, Dr. Lewandowski desenvolveu uma série de perguntas para casais: Quanto estar com o seu parceiro resultou em seu crescimento? Como conhecer o seu parceiro fez uma pessoa melhor?

“Se você está buscando o seu próprio crescimento, obter contribuição de seu parceiro, coloca-o em uma posição muito importante”, explica ele. “E ser capaz de ajudar a expansão do seu parceiro é muito agradável para si mesmo.”

Ao longo do tempo, os ganhos pessoais de relacionamentos duradouros são frequentemente sutis. Ter um parceiro que é engraçado ou criativo acrescenta algo de novo para alguém que não é. Um parceiro que é um voluntário ativo na comunidade cria novas oportunidades sociais para o cônjuge, que passa longas horas no trabalho.

Outras pesquisas sugerem que os cônjuges, eventualmente, adotam as características um dos outros – o que torna mais difícil para distinguir diferenças entre eles. Em experimentos pelo Dr. Aron, os participantes avaliaram a si mesmos e seus parceiros em uma variedade de características. Uma semana depois, os sujeitos retornaram ao laboratório para que eles próprios relembrassem as suas respostas. As pessoas relembraram mais rápido as características que tinham em comum com parceiros. Quando a característica descrita era apenas de uma pessoa, a resposta veio de forma mais lenta.

Não é que estes casais se perderam no casamento, em vez disso, eles cresceram na relacionamento. Atividades, traços e comportamentos que não eram parte de sua identidade antes do relacionamento, estavam agora presentes.

Tudo isso pode ser altamente preditivo para a felicidade a longo prazo de um casal. “Se seu parceiro está ajudando você a se tornar uma pessoa melhor, você se torna mais feliz e satisfeito com o relacionamento” diz Dr. Lewandowski.

Fonte: The New York Times – Sustainable Love
The Happy Marriage Is the ‘Me’ Marriage
By TARA PARKER-POPE

%d blogueiros gostam disto: